Entenda porque existe a oscilação do Dólar

Conheça os principais motivos que levam a alta ou a baixa do dólar diariamente.

1 Estrela2 Estrelas3 Estrelas4 Estrelas5 Estrelas (Sem avaliações ainda)
Loading...
Tempo de leitura aproximado: 7 minutos

No mercado de câmbio, a mecânica funciona como no comércio. As moedas, neste caso, são os produtos e os preços de compra e venda variam de acordo com o local que você está e, ainda, entre os estabelecimentos que as disponibilizam para venda.

As semelhanças não param por aí. O que provoca, numa loja, a alteração do preço de determinado produto? A diferença entre a oferta e a demanda. E esse é o mesmo motivo que provoca queda ou aumento de valorização dos diferentes tipos de moeda existentes.

Entenda agora o que determina a desproporção entre oferta e demanda provocando, por consequência, a oscilação do dólar.

Entenda porque existe a oscilação do Dólar

O que é taxa de câmbio?

Primeiro, de forma simples e objetiva, a taxa de câmbio serve para facilitar o comércio exterior.
É o preço de uma moeda estrangeira medido em unidades ou frações (centavos) da moeda nacional, no Brasil a moeda mais negociada é o dólar americano, 
ela não é fixa e pode alterar muito dentro de um período de tempo, inclusive várias vezes ao dia. 

Desde a criação do Plano Real, a maior alta do dólar aconteceu recentemente, no mês de Setembro de 2018, quando bateu R$4,19. Já a menor cotação do dólar da história aconteceu há mais de 20 anos, quando o dólar chegou a ser negociado a R$ 0,82.

 

Déficit e superávit comercial

O déficit e o superávit comercial estão relacionados à importação e exportação de produtos entre os dois países. Quanto maior o número de exportação de produtos brasileiros, maior a circulação de dólares em território nacional, o que provoca a queda na demanda da moeda.

Ou seja, a hipótese de superávit comercial provoca a queda do preço do dólar em relação ao real porque há aumento na circulação da moeda no país.

Na hipótese contrária, quanto mais o Brasil importa produtos do exterior, mais o país precisa de dólares para pagar as importações. Nesse momento há o déficit comercial, provocando aumento da demanda pela moeda e também o aumento do seu preço em relação ao real.

 

A influência do turismo

Assim como na hipótese de déficit e superávit comercial, o turismo também é um fator de grande influência no preço do dólar.

Quanto mais os brasileiros viajam para o exterior, maior a demanda de dólar. E segundo o Portal EBC, neste ano, só no primeiro trimestre, os gastos de brasileiros no exterior bateu a marca de US$ 4,932 bilhões, 10,2% a mais em relação ao mesmo período de 2017.

O contrário também acontece, quanto maior o número de turistas internacionais no Brasil, maior a oferta de dólar no país, situação que provoca a queda na cotação da moeda.

Para se ter ideia, no carnaval do ano passado por exemplo, o turismo chegou a movimentar R$3 bilhões só no Rio de Janeiro, época em que o dólar chegava a R$3,08 após uma queda de 0,14%.

Entenda porque existe a oscilação do Dólar

Aumento e redução da taxa de juros

Um outro fator que provoca a oscilação do dólar é a taxa de juros. Quando essa taxa está alta aqui no Brasil, o interesse de investidores estrangeiros aumenta, crescendo também o número de dólares que circula em território nacional.

Já quando a taxa de juros está alta nos Estados Unidos, é o Brasil quem investe, mandando os seus dólares para fora do país e aumentando a demanda da moeda por aqui.

 

Risco país e a oscilação do dólar

Quanto maior a incerteza no cenário econômico nacional, maior também o valor da cotação do dólar. Isso porque existe um índice chamado “risco país”, conhecido por aqui como Risco Brasil, cujo papel é mensurar o quão perigoso é investir em determinado lugar.

Aumentando o risco, o número de investimentos no país despenca. Afinal, apesar das taxas de juros subirem, nem sempre vale a pena arriscar devido a alta chance de calote, é aí que o aumento da demanda pela moeda dispara.

O período eleitoral e a indefinição trazida pelas eleições 2018 são grandes influenciadores no constante aumento da taxa de risco do país. Isso porque com a indefinição a respeito do próximo presidente do país não há pista acerca da política econômica a ser adotada.

Entretanto, nem sempre ficar esperando a moeda estrangeira abaixar é uma opção. Em situações onde é preciso viajar a trabalho ou pegar férias, por exemplo, não adianta ficar refém da oscilação do dólar e adiar os planos.

Nesses casos, o melhor mesmo é comprar com uma empresa séria e que tem experiência no mercado de câmbio. Dessa forma é possível garantir um bom negócio em qualquer época do ano!

Deixe seu comentário!